Esqueça X, Y e Z: bem-vindo à “Geração Curiosa”

por Omaid Hiwaizi, presidente do app Blippar, para a Marketing Magazine UK

Olhando para as pessoas vivendo o seu cotidiano, algo me chamou a atenção: se estamos viajando, fazendo compras, indo ao cinema ou a um jogo de futebol, ou simplesmente em nosso tempo livre, vemos pessoas que estão constantemente curiosos. Gastamos nosso tempo “caçando”, comparando, aprendendo, explorando. E os celulares são os catalisadores disso tudo.

“Mais curioso e mais curioso!”, Alice gritou enquanto vagava no País das Maravilhas e agora a curiosidade é o comportamento mais importante, único que nos define como criativamente criaturas inteligentes. Nós não somos ensinados a sermos curiosos, nós nascemos curiosos; e, sem dúvida, isto nos colocou em nossa posição de comando entre outros animais na Terra.

Mais curioso e mais curioso
No resumo de sua pesquisa acadêmica “Curiosidade e busca de informação no comportamento animal e humano“, o professor Wojciech Pisula conclui: “Curiosidade – um desejo de compreender vários fenômenos e uma busca pelo conhecimento – é uma das principais forças motrizes do progresso. A fome de informações sobre o mundo que nos rodeia é frequentemente citada como um fator que determina o nosso lugar na natureza”. Dicas de situações de língua são os momentos em que a curiosidade impulsiona o comportamento mais poderosamente – temos de saber um pouco da história para saber que há mais que não sabemos.

Einstein e muitos outros líderes intelectuais e culturais têm afirmado que a curiosidade é o traço fundamental do gênio. Nós todos experimentamos isto cognitivamente, mas também experimentamos fisicamente e socialmente. Ela se estende aos nossos sentidos e molda o nosso córtex cerebral – e quando estamos privados de curiosidade, o desenvolvimento do cérebro decai. O que talvez seja mais interessante é como essa curiosidade inata tão poderosamente nos move quando somos crianças mas, conforme o tempo passa, ela vai para o plano de fundo. Nós não agimos sobre a curiosidade – nós a vivemos em nossos hábitos e no nosso conhecimento atual.

Tecnologias nos molda como humanos
Por que então nós perdemos esta forma intuitiva de ‘navegar’ no mundo? Talvez seja porque a língua e a cultura assume o controle da gente e que de alguma forma nós perdemos esta capacidade de navegação intuitiva e essencial.

A tecnologia tem sempre nos moldado como seres humanos – temos sido capazes de identificar novas formas de fazer as coisas e novos usos para os nossos recursos. Mais recentemente, o “Google Effect” foi identificado. Ele mostra como já estamos terceirizando nossa memória de curto prazo para esta plataforma, o que tem moldado nosso cérebro e a forma como pensamos.

Moldando a mídia e a cultura
Mídia e cultura mudou nesta direção há décadas – a aceleração como nos relacionamos com o conteúdo e com o nosso próximo. Fomos de de edições mais rápidas em filmes e vídeos de música para os Vines de seis segundos. Cartas se tornaram e-mails e, em seguida, mensagens de texto. Fotografias compostas se transformaram em snaps rápidos nas câmeras digitais e agora são selfies no Snapchat. Emoticons e emojis reduzem ainda mais a comunicação com gestos emocionais instantâneos e a pesquisa mostra que nossos cérebros já estão aprendendo a reagir a eles fisiologicamente, da mesma forma como rostos reais.

Também temos visto um comportamento fascinante com o app Blippar, nos quatro anos que a plataforma tem sido executada. Entre os bilhões de blipps que têm sido registados, alguns padrões muito interessantes surgiram nos dados, que revelam a nossa curiosidade inata e as peculiaridades de nosso comportamento que mudam de acordo com ela.

Blippar, aplicativo que tem ajudado a alterar a forma como as pessoas pesquisam o mundo na internet

Demograficamente contra-intuitivo
Um exemplo é a forma como curiosidade não segue os padrões demográficos que se poderia esperar. Por exemplo, 30% dos leitores mais velhos da revista Gardener’s World blipparam regularmente suas páginas para ver vídeos do canto dos pássaros e obter dicas sobre horticultura. Em outro lugar, imediatamente após Robin van Persie marcar o seu ‘Gol Superman’ na Copa do Mundo de 2014, blipps na marca Pepsi com o Van Persie (garoto propaganda da marca em uma campanha específica na Copa do Mundo) atingiram o pico na Holanda, mostrando que a excitação dos fãs dirigiu a sua curiosidade naquele exato momento. Na verdade, quase 8% das latas de Pepsi distribuídas na Holanda foram blippadas durante esse período.

Nós também observamos que quando as pessoas blippam uma lata de refrigerante, um anúncio de imprensa ou um cartaz para um filme, ou uma revista, sua curiosidade é aguçada e eles vão imediatamente tentar e blippar outros objetos no mundo em torno deles.

Pudemos perceber que este novo comportamento da “Geração Curiosa” estava surgindo. Nós, então, recriamos o mecanismo de reconhecimento de imagem do Blippar para que este reconhecesse todos os objetos e otimizasse algoritmos de inteligência artificial para o fornecimento de uma gama de conteúdo relevante – com base no indivíduo e no contexto dele (até este ponto, tinha sido experiências em Realidade Aumentada). Estamos treinando o sistema para reconhecer o mundo – um grande esforço.

Reconectar com nossa criança interior
Então, como a nova tecnologia está trazendo à tona os nossos lados curiosos? Em minha opinião, é tudo sobre o quão perto a tecnologia pode nos integrar – o tanto que ela pode ser personalizada, prever nossas necessidades e interesses que podemos acessar sem pensar, ou mesmo fazer qualquer tipo de pedido. Mesmo algo tão aparentemente natural como uma pesquisa na web nos obriga a saber as palavras para descrever o que estamos procurando. A “Geração Curiosa” quer apenas apontar e descobrir.

Portanto, ao contrário das gerações X, Y ou Z, a “Geração Curiosa” tem sempre estado conosco. É um comportamento inato que fica mascarado assim que nós crescemos. A tecnologia digital agora permite nos reconectarmos com os curiosos, seres intuitivos que nós éramos quando crianças e que ainda permanecem no nosso interior.


Texto original em http://www.marketingmagazine.co.uk/article/1355380/forget-x-y-z-welcome-generation-curious
Anúncios

Marketing em Angola #2 – Brasil Além-Mar

Continuando a série “Marketing em Angola”, onde falo das minhas impressões sobre o lugar onde passei o mês de setembro/2014. Este post fala sobre como o angolano enxerga o Brasil e como as empresas brasileiras aproveitam isto.


Sede da Record Angola, no bairro da Talatona

Sede da Record Angola, no bairro da Talatona

Definitivamente, Angola ama o Brasil. Somos realmente irmãos de colonização desses africanos. Várias coisas fazem com que eles tenham este carinho para conosco, a começar pelo consumo de cultura nacional. E o principal ponto é a televisão.

Angola não possui TV aberta, como no Brasil. A TV a Cabo tem o mercado disputado pela DSTV e pela ZAP. Em ambas, os canais brasileiros internacionais estão entre os mais assistidos. Em destaque Globo, Record, Band e alguns programas do SBT que são transmitidos por outros canais. Então, tudo é visto por lá! Novelas, jornais, programas de auditório… Angola já teve o maior mercado a céu-aberto do mundo (desativado fazem vários anos), chamado “Roque Santeiro”, tamanho o sucesso da novela global por lá.

Mas em Angola a Globo não é mais soberana. Pelo contrário: a Record está mais no coração do angolano. Rodrigo Faro, Ana Hickman, são muito conhecidos, queridos e respeitados em Angola. Até as novelas da Record estão sendo vistas como mais empolgantes do que as da Globo. Este cenário faz entender o investimento da Record no país, onde eles têm uma sub-sede e diversas propagandas espalhadas por Luanda.


Cultura Brasileira

Enfim, a TV levou a cultura brasileira para Angola. Eles sabem tudo sobre o país luso-irmão. Alguns pontos:

1. O angolano enxerga o Brasil como país violento (potencializado pelos programas policiais). A morte de uma universitária angolana no Rio de Janeiro teve repercussão nacional por lá.
2. Música brasileira é uma das líderes de “audiência”. As rádios tocam demais a música nacional. Destacam-se: Banda Calypso, tida como a “banda brasileira mais querida dos angolanos”, Ivete Sangalo, Michel Telo (assim mesmo, sem acento). Mas ouvi de tudo, desde Roberto Carlos à Roberta Miranda. Afinal, todos os cantores famosos do país estão nos programas muito assistidos.
3. Fiquei impressionado com o tanto de torcedores do Flamengo (pelo menos usando a camisa do time) em Luanda! Praticamente vi uma camisa por dia durante a minha estadia por lá.

Marcas Brasileiras

Muitas são as empresas brasileiras que estão em Angola. Como disse num post anterior, nenhuma se compara à Odebrecht, que tem mais de 30 mil funcionários e é o maior empregador privado do país. A empresa comemorou recentemente 30 anos de Angola, com ampla comunicação. Outras construtoras e incorporadoras, como a Queiroz Galvão, estão presentes e muito bem divulgadas no país.

20140920_103506

Loja das Havaianas no Belas Shopping

Passeando por Luanda, você percebe claramente uma das marcas brasileiras famosas no mundo todo. As “legítimas” Havaianas estão por toda a parte. Como indicador do sucesso, já há as “piratas” também.

Restaurante Bob's Burger no Belas Shopping

Restaurante Bob’s Burger no Belas Shopping

Aí entra em ação várias franquias de marcas brasileiras. Num país com poucas empresas de fast food (o KFC é uma das poucas marcas que estão no país), é interessante ter uma marca brasileira tão destacada. No principal shopping do país, o Bob’s reina soberano nos burgers e nos sorvetes e similares.

Quiosque de "O Boticário" no Belas Shopping

Quiosque de “O Boticário” no Belas Shopping

A rede FISK, escola de idiomas, tem uma operação legal também em Angola. Já estão por lá fazem alguns anos e o franqueador é brasileiro. O Boticário também está presente, com cinco lojas e uma perspectiva de crescimento muito grande, segundo o gestor internacional da marca. Outras empresas atuam por lá, como por exemplo Mundo Verde, Sapataria do Futuro, Mister Sheik, Green Moda Infantil e Livraria Nobel.


O potencial do mercado angolano deve ser olhado com muito carinho por gestores que desejam internacionalizar operações de empresas do Brasil. É um país que ama o nosso e que vê com muito carinho aquilo que temos aqui. Vale a pena pensar com carinho esta possibilidade.

Marketing em Angola #1 – Ambiente de Marketing

Quem me acompanha além do blog, principalmente pelas mídias sociais, sabe que este mês tenho tido a grata satisfação de conhecer um novo continente (África) e um novo país. Desembarquei em Angola numa missão de “espalhar o marketing”, através de aulas para o curso de Mestrado em Gestão da Faculdade de Economia da Universidade Agostinho Neto, maior instituição universitária do país, numa parceria com o Núcleo de Pós-Graduação em Administração da UFBA. Assim, tenho passado essas semanas conhecendo o país de uma forma mais imersa na realidade cultural e social, não fazendo os célebres passeios turísticos que a gente encontra nos roteiros oficiais. O que tem me dado subsídios para uma boa análise da economia, do comércio e dos serviços do país, bem como também para as aulas e pesquisas que realizamos na universidade.


Neste primeiro post, gostaria de compartilhar um pouco do que tenho visto no país, enfatizando as diferenças para o Brasil, nestes cenários citados.

Generalidades

Baía de Luanda, Avenida Marginal. E, ao fundo, as inúmeras gruas.

Angola é um país que está em construção. Luanda e cidades circunvizinhas são um canteiro de obras. Fiquei impressionado com a quantidade de gruas de construção civil espalhadas pela cidade. Isso indica o porque que grandes empreiteiras brasileiras atuando no país, com destaque para a Odebrecht, com mais de 30 anos no país. A empresa baiana agora diversifica seus negócios em Angola, investindo também em agroindústria, petróleo, gás e mineração. De longe, é a empresa que mais emprega no país, com mais de 24 mil empregados, perdendo apenas para os cargos públicos. Fica clara a importância da Odebrecht para Angola e ela não se cansa de demonstrar isso, através de campanha publicitária enfatizando a ligação emocional entre o povo angolano e a empresa.

Uma coisa que ainda também está “em construção” é a própria vida urbana. Fiquei espantado com a quantidade de lixo nas ruas, principalmente nos bairros mais populares, em localidades como Benfica, Samba e outros pontos famosos de Luanda. As autoridades estão preocupadas, pois vejo uma campanha social forte sobre o tema, tanto nas ruas, quanto no rádio. Mas ainda é uma questão cultural e vejo que será um trabalho de geração(ões).

Os “Candongueiros”

Os engarrafamentos são gigantescos e, na hora do rush, pioram consideravelmente. Estou hospedado na Cidade do Kilamba, distante 40km do centro de Luanda. Num dia ruim, levo 1h40 para chegar ao destino. É interessante que há diversos motivos para o trânsito parar, num ar de civilidade urbana que não vemos no Brasil. Uma pessoa atravessando uma passadeira (faixa de pedestres) pode parar o tráfego inclusive da via expressa. O entrar e saltar de passageiros das incontáveis “candongas” (o transporte público todo é realizado por essas vans, normalmente da Toyota, pintadas de azul e branco), também prejudica muito a fluidez do trânsito.

A comida é ótima. Achei muito parecida com a comida do norte do Brasil. Os pratos típicos como o Funge e a Muamba, me lembraram dos tucupis e tacacás da vida. Os angolanos poderiam trabalhar melhor com isso, pois tais comidas típicas não são tão facilmente encontradas por um turista, por exemplo, a não ser que seja em locais onde paira a dúvida sobre a higiene.

Falando nisso, creio que há de se fazer um trabalho muito grande sobre a questão do turismo, principalmente para o estrangeiro. Vejo um potencial tremendo para o turismo a nível internacional. Angola ainda é um “gigante adormecido” nesse ponto, e creio que, mesmo sendo um destino conhecido, pode-se fazer muito mais. Exemplos africanos, como o da vizinha Namíbia e da África do Sul, podem ser usados como benchmarking.

Povo

O povo angolano é demais. Povo legal, hospitaleiro, que adora cumprimentar e bater um bom papo. Sentem-se muito próximos aos brasileiros, o que fez eu ser mais bem tratado ainda! Fazem você se sentir em casa.

Adoram futebol. Além dos times locais (destaque para o Petro de Luanda e o 1º de Agosto), acompanham MUITO o futebol europeu. Sabem tudo da galera de lá. Do Brasil, não acompanham muito, mas fiquei impressionado com o número de camisas do Flamengo que vi aqui! Disparadamente maior do que qualquer outro time (com exceção do 1º de Agosto), inclusive da Europa!

Angolanas e seus lindos cabelos

O povo é muito estiloso! Adoram se vestir bem e de forma bem singular, única. As mulheres são um caso a parte. Como são estilosas! Em tudo! Dou destaque para os cabelos das mulheres. Diferente do que vejo no Brasil, as mulheres aqui tem infinitos (infinitos mesmo!) modelos de cortes, penteados, cores, jeitos. É simplesmente lindo e sensacional! E a roupa é relativamente barata (falo disso num próximo post).

Gostam muito de festas. Nisso se parecem bem com o povo da Bahia! No horário nobre da televisão, os comerciais são quase que na sua totalidade, de eventos sociais, festas, baladas ou produtos ligados a isto. Realmente são apaixonados pela diversão, e diversão em conjunto.

Sociedade

É fácil perceber que há um gap de classes sociais em Angola. Há localidades e pessoas muito pobres e gente muito (mas muito mesmo!) rica. É perceptível isso ao passar por bairros diversos. Andar por Talatona é como andar em qualquer cidade moderna do mundo, com prédios e casas de alto padrão e de muito bom gosto (lá se encontra o Belas Shopping, grande shopping da capital). Já em outras localidades, vê-se os ambulantes aos montes (falarei deles em outro post), casas de baixa qualidade e dezenas de ruas sem asfalto, fazendo com que a poeira amarelada impere sobre boa parte da cidade.

Há um ranço com os portugueses, chamados “carinhosamente” de portugas. E estes andam sempre meio prepotentes pela rua. Vi muito pouco portugueses e angolanos em momentos de descontração. Há uma desconfiança também com os chineses, que tem invadido o país para gerenciar grandes projetos de construção civil, como a Cidade do Kilamba.

Numa aula onde apresentava os dados de classes sociais brasileiras, meus alunos falaram que o que ganha um cidadão de classe A2 no Brasil (acima de R$ 10 mil/mês) é classe B em Angola (não vi dados oficiais de Angola). Entendi a fama de Luanda ser uma cidade cara.

Carros

Trânsito em Luanda. Me impressionou a quantidade de carros que no Brasil são de alto padrão.

Aqui tem muitos carros. Angolanos adoram carros, talvez num nível maior do que o brasileiro. Adoram mexer nos carros (e que carrões!), deixá-los sempre brilhando e tinindo (o que é um desafio enorme, pelo tamanho de poeira que existe aqui). Mas pela intensa falta de água, lavam os carros sempre com um baldezinho de água (precisamos aprender com eles).

E, diferente do Brasil, o mercado angolano é dominado pela Hyundai. O que mais se vê aqui é Elantra (inclusive inúmeros taxis), carro considerado caro no Brasil. Além disso, a montadora coreana tem modelos não existentes no Brasil, como o i10, i20 e Accent, além do i30, Tucson (o nosso ix35), Sonata, Azera, SantaFé, VeraCruz e Veloster. Também se vê muitos carros da Kia (Rio e  Sportage se vê aos montes). Renault também tem uma parcela importante do mercado (Logan merece destaque, além da grande presença do Sandero e do Duster). Suzuki se especializou em carros populares, por isso também é vista aos montes. Nissan também. Toyota, só para carros grandes como Hilux, Fortuner (a nossa SW4) e Land Cruiser (inexistente no Brasil). Ford, só pickups grandes. Fiat, não vi nenhum. Volkswagen, só vi Touareg. Chevrolet só carros mais baratos (com exceção da Captiva), como Sonic. Além de ver de forma muito mais presente aqui do que no Brasil, marcas como Jeep (Grand Cherokee), Lexus, Porsche e Jaguar, por exemplo.

Os carros são mais baratos, relativamente, do que no Brasil. Um Kia Sportage 0km é facilmente comprado em Angola, à vista, por US$ 35mil. Elantra, US$ 26mil. Logan (fabricado no Brasil), US$ 18mil. Isso tudo em um país que não tem nenhuma fábrica de automóveis. A grande maioria dos carros são provenientes de importações via Dubai, localidade com vôos diretos de Luanda por mais de uma empresa aérea, e que tem se tornado um ponto de visita grande para os angolanos, inclusive de classe média.

Outros pontos

Para as empresas e para o povo comum, Angola conseguiu um limiar entre a burocracia e o “deixa pra lá”. Para algumas coisas, como abertura de empresas, há burocracias extremas, o que faz com que muita gente tenha negócios não regulares ou não registrados. E que também não tem grande fiscalização. Questões relativas à receita e arrecadação de impostos também são aparentemente maleáveis (segundo meus alunos, é para manter as possibilidades de corrupção mais tranquilas). Mas se você é pego, há complicações muito fortes.

Similar ao Brasil, as filas são homéricas. Testemunhei algumas bem grandes por aqui.

Nunca vi um lugar com tantos bancos! É impressionante o número de marcas e o número de agências. Falarei disso, com mais detalhes, em um próximo post.


Enfim, estas são as primeiras impressões do Ambiente de Marketing angolano. Qualquer empresa que aqui quiser se instalar, tem que passar por estas questões culturais e sociais, base do estudo ambiental de Marketing em qualquer localidade. Claro que vai muito além do que coloquei. Mas como disse, estes são meus destaques.

Tenho cada vez mais me impressionado positivamente com o país. Clima agradável e pessoas maravilhosas. Mas as questões de marketing, bem como de administração como um todo, ainda são bem incidentais e precárias. Há de se fazer um enorme trabalho por aqui e fico feliz de estar presente neste momento.

No próximo post, falo um pouco sobre a relação Brasil x Angola, incluindo as questões comerciais e de marketing.

Shopping Míope

(Texto retirado do portal “Bahia Notícias”, por Ricardo Luzbel – 22/04/2014)

‘Tudo passa, tudo muda’: Iguatemi perde referência e deixa de ser ‘o shopping da Bahia’

Criado na década de 70, o Shopping Iguatemi foi muito mais do que um centro comercial: passou a ser um bairro, uma referência na cidade de Salvador, um símbolo de status, glamour, um local onde tudo acontecia. Uma loja para ser boa teria que estar obrigatoriamente no Iguatemi. Detentor de inúmeros recordes de vendas e de movimentação de clientes, o centro comercial fez parte da vida do baiano.

Em uma cidade com forte vocação para o turismo, uma história rica, belas praias e cultura vasta, o Iguatemi era ponto obrigatório de visitação dos turistas. Debruçado no monopólio, a soberba dos administradores era latente na visão de muitos lojistas que reclamavam da forma como eram tratados, chegando ao ponto de ocorrer alguns movimentos contrários por parte da associação dos lojistas. Mais de 30 anos se passaram com o Iguatemi reinando sozinho. Com fortes verbas de patrocínios principalmente no carnaval, artistas e São João, a marca e o destino se fortaleceram como patrimônio do baiano. Sua localização privilegiada e de fácil acesso, foi, para muitos, um dos seus principais segredos. Mas o mercado cresceu e não houve modernização. O público foi ficando mais exigente e novos empreendimentos chegaram na cidade. Confiantes na fidelidade do baiano, a administração do centro comercial pouco fez para acompanhar o movimento de modernização: mais estacionamentos, além de corredores amplos e com luminosidade natural.

O Salvador Shopping chegou sem fazer muito alarde, a menos de 1km do seu principal concorrente e com uma proposta arquitetônica que é funcional e extremamente moderna. Resultado: caiu de imediato nas graças do consumidor. Todos passaram a ter um referencial de comparação e notaram o quanto estávamos desprovidos e ultrapassados no que se refere a um centro comercial moderno. O mercado logo se assanhou e surgiram outros shoppings: Paralela, Salvador Norte, Bela Vista, além da ampliação e reforma do Barra. Mas o Iguatemi não se mexeu.

Não se sabe se isso é culpa da soberba, de uma estratégia de mudança de perfil de cliente ou de dificuldades financeiras. O fato é que as classes A e B abandonaram o ícone baiano. O shopping não tem atrativos de lazer e gastronomia, apresenta uma dificuldade grande de estacionamento, leva consigo muitas histórias de violência e a classe média, que é responsável pela movimentação nos centros de compra, se foi. Para piorar, o SAC, que representava pelo movimento de mais de 5 mil pessoas por dia, bateu asas e foi para o Bela Vista, em uma habilidosa jogada comercial do concorrente. O perfil do cliente mudou e as lojas de grife estão indo embora. Na chamada Alameda das Grifes, nota-se claramente tal movimento. Por volta de 15 lojas já foram ou estão sendo fechadas e com isso mais de 150 empregos deixam de existir. Os jovens não frequentam mais o Iguatemi pela total falta de entretenimento e boas lojas, resumindo-se apenas aos excelentes Outback e Pereira Café. Como nada na vida é eterno, o destino comercial do baiano também tem mudado, neste caso, mudado de endereço.


 

Se alguém não havia visto ainda um caso de Miopia de Marketing, no jeitinho que Ted Levitt colocou no seu célebre texto quase sexagenário, mas ainda muito moderno, acabou de ver. O Shopping Iguatemi de Salvador caiu nos quatro pontos mencionados por Levitt como responsáveis pelas empresas não entenderem o mercado e, assim, não serem orientadas para o cliente. São eles:

– O crescimento da população vai garantir o sucesso – O Iguatemi ficou na ilusória ideia de que o mercado crescente, com a entrada da classe C, iria, por si só, sustentar o crescimento do shopping. Esqueceu que o público, ao mesmo tempo que cresceu, ficou mais maduro e exigente.

– Não haveria substitutos para quem é o principal do setor – O Salvador Shopping desenvolveu todo um novo mercado. Criou na cabeça do consumidor uma nova experiência no consumo do produto ‘shopping’. O Iguatemi ganhou a percepção de shopping ultrapassado.

– Produção em Massa – O pensamento de meras vendas, em que eu tenho que encher o shopping de qualquer jeito (facilmente percebido na questão do estacionamento precário), prejudicou a qualidade percebida, a confiança e a satisfação do público.

– Falta de Inovação – O shopping não inovou naquilo que é percebido pelo público como importante para o produto ‘shopping’.

Enfim, o Shopping Iguatemi definha. Que algum gestor invista, acima de tudo, em estratégias urgentes de redução desta miopia.

O Jovem Consumidor Brasileiro

Estive presente no sensacional “youPIX Festival”, no dia 05/07. Sugiro a todos que curtem o tema da “Cultura Digital” que não percam este evento. Particularmente, estava interessado em alguns encontros, mas claro que o que me chamou atenção logo de cara foi o relatório que iria ser dado sobre a pesquisa IBOPE/youPIX, sobre o jovem consumidor brasileiro que está na internet. A pesquisa foi capitaneada pelo CONECTAí, iniciativa do IBOPE Inteligência, que está estudando comportamento digital no Brasil e na América Latina. Vou trazer alguns excertos da pesquisa e traçar alguns comentários.

Vida Profissional – Quase 70% dos jovens já trabalham (90% destes trabalham em tempo integral), com uma renda média pessoal é de R$ 820. Acredito que este é um panorama bem diferente do que foi no meu tempo de jovem e também há uma década atrás. O que indica que estes jovens estão no mercado de consumo de forma mais ativa que nunca (61% fazem compras pessoais todo mês; 57% tem Cartão de Crédito). Além disso, muitos deles arcam com responsabilidades enormes em casa, participando ativamente dos gastos familiares.

Um perfil diferente – Os jovens de hoje são multicanal, global e, acima de tudo, digital. Isso nos leva a traçar um perfil diferente de consumidor jovem. Pontos importantes: Busca ininterrupta pela autenticidade; É cada vez mais individualista e independente (o que denota força nas suas convicções e opiniões pessoais); Extremamente envolvido (colaboracionismo é palavra de ordem); E, claro, bem-informado. Minha opinião é que este novo perfil de jovem está intimamente ligado com a cultura digital. Ela é a identidade desta nova geração.

Experiência e Relacionamento – Família e Amizades disparam como importantes influenciadores de compra (o que parece ser um paradoxo com o perfil individualista). Mas a internet (pra busca e, principalmente, troca de informações) e as experiências próprias anteriores também tem força na hora de decidir o que comprar. Veja só o gráfico apresentado na pesquisa:

Experiencia(Clique na Imagem para Ampliar)

Acesso à Informação – Os jovens estão muito conectados e tem muito acesso a informação. 94% possuem celular (22% são smartphones); 76% são internautas assíduos (92% navegam em redes sociais, contra 76% da média nacional); 41% possuem TV paga. O espaço para crescimento é o do tablet, pois apenas 4% tem o dispositivo. Os jovens mostram que o TRADIGITAL é fato. Há um consumo de informação por meios tradicionais e digitais ao mesmo tempo, mostrando que há ainda longa vida para mídias como TV, Rádio e Revista. Mas o pensamento transmídia é fundamental para a sobrevivência dos canais destas mídias. Além disso, mais de 60% dos jovens usam dois meios ao mesmo tempo. Exemplo: assiste-se televisão com o smartphone do lado, ligado às mídias sociais.

Se você tiver tempo, pode assistir a palestra feita no youPIX na íntegra (45 minutos) no vídeo abaixo! 🙂

Realmente temos muita coisa para repensar, em termos de Marketing Tradicional. Creio que a influência da cibercultura, do mundo digital é inegável. É impossível se comunicar com esse público só (e somente só) por meio de mídias tradicionais. Além disso, mensagens enlatadas não são bem-vindas. A comunicação deve ser diferenciada, valorizando o relacional e a experiência. Bem-vindos ao admirável mundo novo!

O blog “Marketing em Foco” parabeniza o IBOPE MEDIA e à sua gerente de Learning e Insights, Juliana Sawaia, pela sensacional pesquisa. Aguardamos os próximos relatórios! 😉