Esqueça X, Y e Z: bem-vindo à “Geração Curiosa”

por Omaid Hiwaizi, presidente do app Blippar, para a Marketing Magazine UK

Olhando para as pessoas vivendo o seu cotidiano, algo me chamou a atenção: se estamos viajando, fazendo compras, indo ao cinema ou a um jogo de futebol, ou simplesmente em nosso tempo livre, vemos pessoas que estão constantemente curiosos. Gastamos nosso tempo “caçando”, comparando, aprendendo, explorando. E os celulares são os catalisadores disso tudo.

“Mais curioso e mais curioso!”, Alice gritou enquanto vagava no País das Maravilhas e agora a curiosidade é o comportamento mais importante, único que nos define como criativamente criaturas inteligentes. Nós não somos ensinados a sermos curiosos, nós nascemos curiosos; e, sem dúvida, isto nos colocou em nossa posição de comando entre outros animais na Terra.

Mais curioso e mais curioso
No resumo de sua pesquisa acadêmica “Curiosidade e busca de informação no comportamento animal e humano“, o professor Wojciech Pisula conclui: “Curiosidade – um desejo de compreender vários fenômenos e uma busca pelo conhecimento – é uma das principais forças motrizes do progresso. A fome de informações sobre o mundo que nos rodeia é frequentemente citada como um fator que determina o nosso lugar na natureza”. Dicas de situações de língua são os momentos em que a curiosidade impulsiona o comportamento mais poderosamente – temos de saber um pouco da história para saber que há mais que não sabemos.

Einstein e muitos outros líderes intelectuais e culturais têm afirmado que a curiosidade é o traço fundamental do gênio. Nós todos experimentamos isto cognitivamente, mas também experimentamos fisicamente e socialmente. Ela se estende aos nossos sentidos e molda o nosso córtex cerebral – e quando estamos privados de curiosidade, o desenvolvimento do cérebro decai. O que talvez seja mais interessante é como essa curiosidade inata tão poderosamente nos move quando somos crianças mas, conforme o tempo passa, ela vai para o plano de fundo. Nós não agimos sobre a curiosidade – nós a vivemos em nossos hábitos e no nosso conhecimento atual.

Tecnologias nos molda como humanos
Por que então nós perdemos esta forma intuitiva de ‘navegar’ no mundo? Talvez seja porque a língua e a cultura assume o controle da gente e que de alguma forma nós perdemos esta capacidade de navegação intuitiva e essencial.

A tecnologia tem sempre nos moldado como seres humanos – temos sido capazes de identificar novas formas de fazer as coisas e novos usos para os nossos recursos. Mais recentemente, o “Google Effect” foi identificado. Ele mostra como já estamos terceirizando nossa memória de curto prazo para esta plataforma, o que tem moldado nosso cérebro e a forma como pensamos.

Moldando a mídia e a cultura
Mídia e cultura mudou nesta direção há décadas – a aceleração como nos relacionamos com o conteúdo e com o nosso próximo. Fomos de de edições mais rápidas em filmes e vídeos de música para os Vines de seis segundos. Cartas se tornaram e-mails e, em seguida, mensagens de texto. Fotografias compostas se transformaram em snaps rápidos nas câmeras digitais e agora são selfies no Snapchat. Emoticons e emojis reduzem ainda mais a comunicação com gestos emocionais instantâneos e a pesquisa mostra que nossos cérebros já estão aprendendo a reagir a eles fisiologicamente, da mesma forma como rostos reais.

Também temos visto um comportamento fascinante com o app Blippar, nos quatro anos que a plataforma tem sido executada. Entre os bilhões de blipps que têm sido registados, alguns padrões muito interessantes surgiram nos dados, que revelam a nossa curiosidade inata e as peculiaridades de nosso comportamento que mudam de acordo com ela.

Blippar, aplicativo que tem ajudado a alterar a forma como as pessoas pesquisam o mundo na internet

Demograficamente contra-intuitivo
Um exemplo é a forma como curiosidade não segue os padrões demográficos que se poderia esperar. Por exemplo, 30% dos leitores mais velhos da revista Gardener’s World blipparam regularmente suas páginas para ver vídeos do canto dos pássaros e obter dicas sobre horticultura. Em outro lugar, imediatamente após Robin van Persie marcar o seu ‘Gol Superman’ na Copa do Mundo de 2014, blipps na marca Pepsi com o Van Persie (garoto propaganda da marca em uma campanha específica na Copa do Mundo) atingiram o pico na Holanda, mostrando que a excitação dos fãs dirigiu a sua curiosidade naquele exato momento. Na verdade, quase 8% das latas de Pepsi distribuídas na Holanda foram blippadas durante esse período.

Nós também observamos que quando as pessoas blippam uma lata de refrigerante, um anúncio de imprensa ou um cartaz para um filme, ou uma revista, sua curiosidade é aguçada e eles vão imediatamente tentar e blippar outros objetos no mundo em torno deles.

Pudemos perceber que este novo comportamento da “Geração Curiosa” estava surgindo. Nós, então, recriamos o mecanismo de reconhecimento de imagem do Blippar para que este reconhecesse todos os objetos e otimizasse algoritmos de inteligência artificial para o fornecimento de uma gama de conteúdo relevante – com base no indivíduo e no contexto dele (até este ponto, tinha sido experiências em Realidade Aumentada). Estamos treinando o sistema para reconhecer o mundo – um grande esforço.

Reconectar com nossa criança interior
Então, como a nova tecnologia está trazendo à tona os nossos lados curiosos? Em minha opinião, é tudo sobre o quão perto a tecnologia pode nos integrar – o tanto que ela pode ser personalizada, prever nossas necessidades e interesses que podemos acessar sem pensar, ou mesmo fazer qualquer tipo de pedido. Mesmo algo tão aparentemente natural como uma pesquisa na web nos obriga a saber as palavras para descrever o que estamos procurando. A “Geração Curiosa” quer apenas apontar e descobrir.

Portanto, ao contrário das gerações X, Y ou Z, a “Geração Curiosa” tem sempre estado conosco. É um comportamento inato que fica mascarado assim que nós crescemos. A tecnologia digital agora permite nos reconectarmos com os curiosos, seres intuitivos que nós éramos quando crianças e que ainda permanecem no nosso interior.


Texto original em http://www.marketingmagazine.co.uk/article/1355380/forget-x-y-z-welcome-generation-curious
Anúncios

Participe com sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s