Físico ficando pra trás

O mercado de videogames aprendeu bem com o advento da internet na vida comum do cidadão. Baseados no mesmo princípio que fazem das redes sociais parte inestimável da vida moderna, há tempos os melhores jogos tinham saídas para o jogo em rede remota. Botões “Multiplayer”, “TCP-IP”, “Network Game”, ou coisa parecida ajudavam a melhorar a experiência do usuário e fez com que a vida social digital já fosse uma realidade dentro do mundo dos games, bem antes da popularização das redes.

As plataformas de jogos on-line (os chamados MMORPG) apareceram depois também arrebanhando multidões de jogadores. Com seus mundos virtuais, jogos como World of WarcraftRagnarokPerfect World, entre outros, moviam grandes cifras e começavam a trazer à mente dos seus jovens jogadores o conceito de Cloud Computing. O posterior lançamento da intensa XBOX Live também ampliou ainda mais o alcance deste tipo de atividade. Inegável contribuição dos gamers para este admirável novo mundo.

Ontem (12 de agosto), Peter Moore, o COO de uma das gigantes do setor de videogames, a Electronic Arts, fez um anúncio que vem mostrando mais da contribuição dos games para uma nova ordem comercial. Durante a GamesCon 2012, em Colônia (Alemanha), Moore colocou a previsão de que, em poucos anos, a empresa venderá mais jogos de forma virtual do que em físico. Hoje este montante já chega a US$ 1,3 bilhão e a expectativa é que chegue a US$ 1,7 bilhão até o meio do ano que vem, contra US$ 2,6 bilhões das vendas físicas.

Recentemente, também recebemos a notícia de que, no mercado norte-americano, a venda de e-books superou a de livros físicos já em 2011. Embora a lucratividade dos livros físicos seja maior, este formato chegou pra ficar. O crescimento é diretamente proporcional à popularização dos tablets, o que indica que estamos no começo disso tudo. No Brasil, esta ainda não é uma realidade, porém o sumiço das tradicionais bancas de jornal, como noticiado pela Meio e Mensagem, indica que a tendência da leitura on-line vem desfigurando o aos poucos o mercado de literaturas populares nacional.

Estes dois cenários mostram que o usuário virtual está ultrapassando cada vez mais a barreira do consumo real e se chegando ao consumo virtual. Surge, então, mais um grande desafio de marketing: O que posso fazer para que meus produtos (bens ou serviços) sejam convergentes e também sejam entregues de forma virtual? 

Na verdade, tudo se resume a algo bem maior do que a guerra físico x digital. O que deve ser promovido é uma experiência real e positiva do usuário com a marca ou o produto. Partindo deste princípio, a visualização do que fazer para que haja convergência fica muito mais simples de ser percebida. No caso dos videogames, a experiência com a inteligência artificial não satisfazia mais o usuário, o que impulsionou a agregação de valor com a presença de mais usuários humanos. Mais uma vez, tudo parte de uma ação que maximize a experiência deste usuário com o produto. E no mundo atual, experiência também significa “estar” digital. Pense nisso!

Anúncios

2 comentários em “Físico ficando pra trás

  1. Bruno, com certeza a “Experiência” se torna uma fonte de valor agregado para os produtos. E não há experiência hoje em dia, se não houver interação digital. Estamos todos preparados?

Participe com sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s